Historial

“Benvindos ao Mundo do Rugby da Agrária de Coimbra...”

 

Parte 1 – A Fundação do Rugby da Escola de Regentes Agrícolas de Coimbra

As primeiras referências à prática de Rugby na actual Escola Superior Agrária de Coimbra datam da década de 40. No entanto, a primeira equipa federada data do ano de 1963, com o nome da antiga Escola de Regentes Agrícolas de Coimbra. A actividade competitiva e de lazer desenvolvia-se no antigo campo ervado junto ao já desactivado Lagar de Azeite da Escola, onde alunos e professores, num ambiente saudável, evoluíam na modalidade. O impulso e desenvolvimento do Rugby na Escola, deve-se ao falecido Dr. França Martins, “homem de mil e um ofícios”: atleta, treinador, professor, veterinário e director da nossa Escola; que com os seus princípios de vida, persistência, honestidade, amigo do seu amigo, contribuiu para a criação do gosto pelo Rugby na Agrária. A ele e aos “Charruas” daquelas épocas devemos a existência desta nobre modalidade na nossa Escola.

  Os Homens da Agrícola de Coimbra eram conhecidos pela sua robustez, amizade, amor pela causa agrícola, para além da forma alegre de estar na modalidade e a excelente recepção e organização das famosas 3as partes, características que queremos preservar e para as quais trabalhamos todos os dias. Em 1975, reza a história, a equipa sénior venceu o campeonato da 2ª divisão aos comandos de Júlio Costa, título memorável para a Escola Agrícola. Seguiram-se anos difíceis, chegando-se mesmo a um período de interregno do Rugby na já então Escola Agrícola de Coimbra.


   Parte 2 – Refundação – Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Coimbra (núcleo de rugby)

O Rugby voltaria a fazer parte da vida desta Escola Superior Agrária quando, no ano de 1991/92, um grupo de entusiastas praticantes de Rugby da AAC (caloiros da Agrária) e outros sem vínculo à modalidade, essencialmente amigos e colegas de curso, lançavam-se à obra da refundação do Rugby na Agrária. Preciosa então, foi a ajuda do conhecido Prof. “Toni” Cabral Fernandes, e dos primeiros obreiros, dos quais nunca é de mais realçar os seus nomes, Alberto Bejo, Gonçalo Costa, Luís Monteiro da Costa, João Alberty, Luis Maia, João Miguel Silva, Luís Carreira, Manuel Portugal, Pedro Aníbal, Rui França, Ricardo Leão entre tantos outros não menos entusiastas ou importantes.

  Nessa longínqua época foi criado o actual Núcleo de Rugby da Associação de Estudantes da Escola Superior Agrária de Coimbra, foram adquiridos equipamentos e as primeiras bolas e deu-se início à participação em torneios abertos, apesar das inúmeras dificuldades de treinar sem local para o efeito. Quem se lembra dos treinos na parte de trás do cemitério, no campo pelado do Esperança ou na célebre pastagem da Cidreira?

  Na época 1994/95, foi o ano em que a equipa voltou a estar federada na Federação Portuguesa de Rugby e voltou ao activo nos torneios organizados pela Federação. Agora já tínhamos campo relvado mas, sem iluminação… E as sessões de treino com iluminação holofotes “Toni” e luz de faróis de carros e motos?! Tempos de muita união e espírito de desenrasque para que existissem condições para haver treino de rugby.

  Na época seguinte, 95/96, foi dado um passo de gigante: a entrada no Campeonato Nacional da 2ª divisão, com o treinador Ricardo Leão. Resultado final: muitas dificuldades, muitas lesões, muitas 3as partes, mas... aposta ganha chegámos ao fim da época!

  De 94/95 a 2001/2002, assistiu-se a uma série de equipas masculinas que desenvolveram um Rugby que deixou marcas na história da Agrária e na vida dos Homens que a fizeram. A Agrária lançou atletas para equipas como a Académica, Lousã, Bairrada e Aveiro; efectuou uma memorável deslocação a Valladolid – Espanha; participou em Torneios de Seven´s e Beach Rugby; organizou convívios musicais com os lunáticos Dj´s Melga e Oliveirinha e outras tantas actividades desportivas e lúdicas sempre com qualidade assinalável criando, assim, um verdadeiro espírito de clube de Rugby.

  A qualidade dos atletas das várias equipas da Agrária ao longo dos anos não foram esquecidos pelos Seleccionadores Regionais, e os nossos atletas João Alberty, João Miguel Silva, Ricardo Lapa de Castro e Luís Monteiro da Costa foram presenças assíduas na Selecção Regional Centro/Norte, tendo, mais tarde, também participado nos treinos os atletas Luís Sá, Paulo Bandeira e Diogo Pinheiro.

  Na época de 1999/2000 iniciou-se o Rugby feminino na Agrária, pelas mãos de Bárbara Viana e João Alberty. No primeiro ano viriam logo a participar nos Torneios Nacionais, numa fase muito embrionário do Rugby Feminino Nacional.

  Na época seguinte, 2001/02, após 26 anos de interregno, a Agrária voltou aos títulos Nacionais, ao vencer o Campeonato Nacional Feminino e o Torneio Nacional de Seven´s, pelas mãos do treinador, João Alberty, e de uma equipa composta por excelentes atletas com algumas delas ainda em plena actividade no clube, na transmissão de princípios e conhecimentos às mais novas que começam agora a sua formação no nosso clube.

  No final da época 2001/2002, época em que o Rugby Sénior da Agrária obteve uma qualidade de jogo memorável, para o qual muito contribuíram os técnicos Luís Monteiro da Costa e João Nogueira e os belíssimos atletas daquela equipa, seguiram-se dois anos de interregno de competição da equipa masculina. 

  Inexplicável para muitos, este facto, mas num clube naquela data sem formação era inevitável isso poder acontecer, o desporto é assim mesmo. Numa equipa em que sempre entraram jovens/alunos e saíram homens/Engenheiros e Doutores, o cansaço da espinha dorsal da equipa, as lesões, o receio do espírito competitivo criado nas duas épocas anteriores e a falta de honestidade de alguns, interromperam um esforço colectivo de muitos anos.

  Mas a alma Agrária não adormeceria, e as nossas “meninas” lutavam por aqueles que viraram costas à sua camisola, e sagravam-se Campeãs Nacionais e Vencedoras do Torneio Nacional Seven´s novamente (2002/03). A nível internacional ganhavam à Selecção de Marrocos em Rabat e classificavam-se em 5º lugar no Torneio Seven´s de Amesterdão feitos importantes para o palmarés da equipa e do nosso emblema

   Em 2003/04, ainda sem “os charruas” em competição, apesar da tentativa, “as charruas” voltavam a dar mais alegrias à Escola Agrária, ao sagrarem-se Vice-Campeãs Nacionais e vencedoras do Torneio Nacional Seven´s na mesma época. Em digressão por Espanha conseguiam ser finalistas do Torneio de Seven´s de Ourense.

  A presença assídua de atletas femininas nas Selecções Nacionais e do convite feito ao treinador, João Alberty, para dirigir a Selecção Nacional feminina, foi durante anos um prémio à qualidade do trabalho desenvolvido na Agrária de Coimbra.

  A formação dos elementos das equipas da Agrária sempre foi aposta do Núcleo, pelo que vários atletas foram ao longo dos anos realizando os seus cursos de treinador, dispondo o clube actualmente de mais de 15 treinadores qualificados pela Federação Portuguesa de Rugby. A formação de treinadores e directores continua a ser uma das fortes apostas da direcção do clube.

A época 2004/2005 seria o início de muitas alegrias para os que lutam há muitos anos pelo Rugby na Agrária de Coimbra, através da participação de equipa feminina e masculina nas competições Nacionais; a criação do site oficial, pelas mãos do incansável Pedro Midões; e a autorização, concedida recentemente pela Presidência do Instituto Politécnico de Coimbra para a construção da sede social do Núcleo de Rugby.

  Porque os Agrários, os verdadeiros, não gostam de estar longe do que acreditam, na época 2004/05, voltaram a acreditar e formaram novamente a equipa sénior masculina e entraram no Campeonato Nacional 2ª divisão, pelas mãos de um grande reforço, o Internacional Português, Alcino Silva, que treinou, apoiou, mimou, ouviu tudo e todos e levou até ao fim aquilo a que se propôs: manter a equipa em competição até ao final da época. Parabéns ao “Mr.” Alcino e a todos os que com ele estiveram nessa batalha.

  A equipa feminina manteve durante a época 2004/05 a mesma estrutura técnica, e apesar da entrada de muitas atletas novas, voltaria a vencer ambas as competições Nacionais (Campeonato XII e VII) e foram finalistas da 1ª Taça de Portugal feminina. Notável, no mínimo...

  A época 2005/06 seria o crescente das equipas seniores com a feminina a ser novamente campeã e a equipa masculina a ser impedida de ir às finais absolutas por confusões federativas, só possíveis em Portugal. Mas nem por isso deixámos de alcançar por mérito próprio o 3º lugar e alcançar aquela que seria a melhor classificação da equipa sénior desde o título nacional de 1975. A somar a este feito a conquista da Taça da Federação.


Parte 3 – 2006/07 a época de Ouro do Núcleo de Rugby

2006/07, Seria o ano de ouro do Rugby Agrária, a equipa feminina mudava de treinador, Prof. Rui Carvoeira, liderava uma equipa de luxo que conseguiu a proeza de vencer as cinco competições que disputou, Torneio Abertura, Taça de Portugal, Supertaça, Campeonato Nacional de XIII e Campeonato Nacional de Seven´s…Brilhante e único no rugby feminino nacional. A equipa sénior não ficava atrás e pelas mãos de Alcino Silva e Luis Monteiro da Costa voltavam a vencer a Taça da Federação e sagravam-se Campeões Nacionais da 2ª divisão colocando o nosso clube na 1ª divisão Nacional. Aproveitando a onde positiva a equipa masculina ainda conseguia o Vice-Campeonato de Seven´s atrás dos colegas de Agronomia. Ano simplesmente genial a que a Autarquia de Coimbra não ficou indiferente e atribuiu a Medalha Dourada de Mérito Desportivo do Concelho.


Parte 4 – Garantir o Futuro – Arranque da Escola de Campeões (escalões de formação)

Após alcançar o primeiro de muitos anos de ouro em 2007/08 decorreu o lançamento dos Escalões de Formação, com escalões Sub8,10 e 12 que pelas mãos de treinadores da casa (Luis Maia, Ana Bagagem, João Alberty, António Consciência, Pedro Quadros, Daniela Andrade, Joana Borlido) orientados pedagogicamente pelo Prof. Carvoeira e sob direcção de Mariana Alberty ergueriam um projecto denominado de Escola de Campeões que se viria a mostrar de grande sucesso e que veio dar um novo folgo ao rugby juvenil da região Centro e espantando o Rugby Nacional com a organização, alegria dos seus atletas e apresentação destes destemidos jovens atletas. Depois de muitos convívios os “charruazitos” alcunha pelo que são conhecidos, elevaram o nome do nosso clube para patamares nunca alcançados recebendo elogios de personalidades como o Prof. Tomaz Morais ou Prof. Henrique Rocha.

As equipas Seniores, masculinas e femininas prosseguiam a sua caminhada com distinção, numa época tranquila de 2007/08, com mais títulos nacionais conseguidos pela equipa feminina e a manutenção na 1ª divisão dos seniores com um 5º lugar final.

2008/09 Seria o ano em que a equipa feminina conhecia o seu terceiro treinador da história da Agrária, Pedro Midões assumia o comando técnico mostrando ser uma aposta acertada, alcançando bons resultados, renovando a equipa com muitas caras novas, e alcançando o 7º título nacional em Seven´s para as cores da Agrária. Os seniores faziam uma época inconstante na 1ª divisão, conseguindo uma boa participação na Taça de Portugal e descendo um lugar na classificação final da 1ª divisão, 6º. A participação no Campeonato Nacional de Seven´s foi desastrosa (9º lugar), numa época muito complicada desportivamente. Os escalões de formação, agora já com Sub 14 e Sub 16 (rugby de 8), continuavam a espantar o rugby Nacional pelos mesmos motivos positivos atrás referidos. Continuámos a aumentar do número de participantes nos escalões de formação, que contribuíram para novo record de atletas federados pela Agrária, 152! Os Sub 14 viriam a ser o expoente máximo (visível) dos escalões de formação ao alcançarem excelente prestação que seria finalizada com a vitória da série “B” do Circuito Nacional de Seven´s organizado pela Associação de Rugby do Sul. Não podemos esquecer a valentia dos Sub 16 que alcançaram o prémio Fair-Play no Torneio de Abrantes e as equipas Sub 8 que pelo seu número de atletas faria com que o nosso clube fosse o mais participado neste escalão! A construção do mini-relvado de treino (900 m2) ficará ainda na história do nosso clube pois foi totalmente construído por nós e com verbas nossas.

Em 2009/10 as equipas Sub 8, 10, 12 e 14 prosseguiram o seu percurso. A equipa Sub 16 abraçou pela primeira vez o Campeonato Nacional enquanto equipa feminina já com atletas formadas nas equipas de formação atacou os diversos títulos nacionais. A equipa sénior tudo fez para subir na classificação apesar de saber das dificuldades internas e manteve-se na 1ª divisão por mérito próprio. Uma decisão pensada da direção do clube com aprovação da FPR com base no RGC ditou que a equipa sénior descesse para a 2ª divisão para lançar seguramente uma nova era da equipa sénior masculina (chamaram-nos de loucos, agora leiam o que se seguiu!). A época fica ainda marcada pela estreia da equipa de veteranos em dois Beach Rugby no Verão 2009, foi a segunda grande novidade a seguir aos Sub 16.

2010/11 Ficaria marcado por inúmeros êxitos desportivos e um aumento significativo do número de praticantes (clube médio grande) e mais uma equipa, a Sub 18, fechando assim o ciclo de evolução do clube. A equipa sénior sob comando de João Alberty, dominaria a 2ª divisão claudicando apenas numa meia-final fechando a época no 3º lugar. A equipa feminina sagrar-se-ia campeã Nacional de Seven´s sob liderança de Tiago Gonçalves. Os escalões de formação continuavam a crescer e dar um colorido enorme ao nosso projeto desportivo. A FPR premiou a organização do Núcleo de Rugby na avaliação demográfica (atletas/treinadores/dirigentes).

Muitos achavam que novo ano de Ouro seria impossível, mas em 2011/12 conseguiríamos um ano de Prata muito próximo do Ouro: 196 atletas federados, primeiro atleta Sub 16 (Rodrigo Cardoso) a integrar uma seleção Nacional, Equipa Feminina Campeã Nacional XIII, Seniores vencem CN 2ª divisão sob comando de Rui Luzio e Alcino Silva e regressam em 2012/13 à 1ª divisão e Sub 18 sagram-se Vice-Campeões Nacionais de Seven´s. João Alberty foi agraciado pela FPR com Medalha de Mérito Desportivo, premio que dedicou ao Núcleo de Rugby da AEESAC e todos os que tem desde a sua génese tornado realidade o sonho de muitos. A terminar a época o Instituto Politécnico de Coimbra distinguiu honorificamente o Núcleo de Rugby através de Medalha Reconhecimento de Mérito por tudo o que temos feito pelo Desporto do IPC e do Rugby em geral.

O sonho continuará porque muitos sonham e porque muitos acreditam todos os dias. Tudo faremos para ter forças e mais forças para fazer crescer o Rugby Agrária e todos os jovens, homens e mulheres que vestem a camisola de que tanto gostamos!

A todos os que acreditam no projecto do Núcleo de Rugby (atletas, encarregados de educação, enfermeiros, fisioterapeutas, treinadores, charruas e charruecos, colaboradores, motoristas, patrocinadores e entidades oficiais), que nele trabalham todos os dias e que sempre nos apoiaram, o nosso Muito Obrigado.

O nosso esforço, dentro e fora de campo, é para vos orgulhar. Esperamos que continuem connosco nas derrotas e nas vitórias, nos momentos de tristeza e de alegria.

  A história do Núcleo de Rugby da AEESAC já conta 20 anos, muitos títulos Nacionais e o futuro está aí. O projecto da sede social é para todos construirmos sem nunca esquecer os princípios que nos regem e os objectivos desportivos que traçamos conjuntamente.

Pela História do Rugby da Agrária ser rica não podemos parar de a preservar e a reforçar......

Força Agrários...

Ao alto Ao alto Ao alto...CHARRUA!!!! eu não ouvi nada! CHARRUA